Get Back

Beatles cantando Get Back no telhado

Houve um tempo em que a internet era um mar de mistério. Pelo menos pra quem trabalhava com isso.

Sites em tabela, Flash, Web 2.0, CSS, comunicação integrada, poucos sabiam onde tudo isso ia dar. Mas tava todo mundo lá, arrumando uma forma de ganhar dinheiro e se estruturar. “Internet é o futuro” diziam eles.

Lembro dos primeiros blogs, desenvolvedores ganhando tempo com open-source, a gente tentando ensinar leigos a usar RSS, Youtube surgindo, Bloglines, Megaupload, Web Standards, orientação a objeto, segunda bolha da internet. Mano, era uma zona.

Era uma zona porque cliente não botava fé na internet, agência não sabia onde pisava e quem botava a mão na massa estava sedento por informação. Sobrava conhecimento na mão-de-obra, faltava experiência.

Consigo me enxergar claramente nesse cenário porque foi o que vivenciei. Não tenho dúvidas de que existem outros pontos de vista, mas essa era a minha vida.

Pulei da ilustração, pra animação em Flash, pro site em Flash, pro site, pro Web Design e por aí foi. Quando aprendi padrões web (obrigado Maujor e Tableless), achei que ia mudar o mundo com HTML. Estudei metodologias ágeis, frameworks PHP, javascript, Ruby on Rails, muita coisa. Eu realmente já estudei muito, me orgulho dessa época e me envergonho por não ser mais tão empenhado assim.

Estudei tanto que comecei a achar que eu era um guru. Se eu era um guru, por que não escrever artigos? Criei um blog pra isso e, de quebra, comecei a mexer com WordPress.

De lá pra cá, já foram 5 anos. Criei uma infinidade de outros blogs e aprendi muito de SEO, planejamento e gestão de projetos. Tudo que eu queria testar, ia pra esse primeiro blog. Ele ficou zoado, muita coisa inútil, muito teste de link building, muito teste de WordPress, muito teste de tudo.

Sou extremamente perfeccionista, me dava asco entrar no painel de administração do site e ver o caos instaurado.

Resumo da história: transferi o conteúdo do site, deletei tudo que tinha no servidor e comecei de volta.

O nagueva.com voltou a ser um blog, blog mesmo. E esse é o primeiro post.

(8) Get back (tundundum), get back (tundundum), get back to where you once belonged.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *